Alimentos transgénicos: sim ou não? | Pplware Kids

Alimentos transgénicos: sim ou não?

Um recente relatório, publicado pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, afirma que os organismos geneticamente modificados parecem não ser prejudiciais à saúde.

Confia neste tipo de alimentos?

comida transgénica


Foram muitos os cientistas que participaram neste estudo. Cerca de 50 que analisaram mais de 90 estudos e dados recolhidos desde há 20 anos relacionados com a plantação de milho, soja e algodão geneticamente modificados.

Do relatório surge a afirmação de que a utilização de sementes transgénicas “parece” ser segura para o consumo humano, não sendo responsável pelo aumento de doenças como o cancro, obesidade e alergias.

milho

Além do mais, o cultivo deste tipo de culturas também não é mais prejudicial para o meio ambiente do que as culturas convencionais, segundo as conclusões do relatório.

Embora reconheçamos a dificuldade inerente de detectar efeitos subtis ou de longo prazo na saúde e no meio ambiente, a comissão do estudo não encontrou indícios que mostrem alguma diferença de riscos para a saúde humana entre os cultivos de organismos geneticamente modificados actualmente comercializados e as colheitas convencionais, nem evidências conclusivas de causa e efeito em relação a problemas ambientais

Outra das afirmações que se pode extrair do relatório agora divulgado, prende-se com os possíveis benefícios para a saúde de alimentos transgénicos resistentes a insectos, uma vez que não necessitam da utilização de pesticidas no processo de cultivo.

Este relatório surge na sequência da aprovação de uma nova lei norte-americana que exige que os grandes fabricantes de alimentos passem a indicar nas embalagens dos seus produtos se são utilizados alimentos geneticamente modificados.

gmo

As pessoas queriam que déssemos uma resposta simples, inteligível aos leigos e cheia de autoridade, um crivo definitivo sobre os transgénicos. Dada a complexidade do assunto, não achamos que uma resposta assim seria adequada

Refere Fred Gould, um dos investigadores.

Sobre este tema existe ainda muita controvérsia e este relatório só veio agitar ainda mais o debate. Há uma forte crítica quanto à utilização de alimentos transgénicos afirmando-se que as sementes transgénicas não aumentam de modo significativo o rendimento das colheitas e, além do mais, não serão estas técnicas que irão acabar com a fome mundial.

Fonte: The National Academies of Siences
 

Qual a sua opinião sobre os alimentos geneticamente modificados?

Arquivado na categoria: Kids


4 Comentários

  1. Se o estudo fosse alemão confiava.

  2. Do relatório surge a afirmação de que a utilização de sementes transgénicas “parece” ser segura para o consumo humano, não sendo responsável pelo aumento de doenças como o cancro, obesidade e alergias. – Não existe um aumento de alergias alimentares nos americanos?

    “Além do mais, o cultivo deste tipo de culturas também não é mais prejudicial para o meio ambiente do que as culturas convencionais, segundo as conclusões do relatório.” – Promovem o uso excessivo de herbicidas… logo as pessoas ficam obesas, por os alimentos não conterem as vitaminas e sais minerais que necessitam.., e cancros.

    … prende-se com os possíveis benefícios para a saúde de alimentos transgénicos resistentes a insectos, uma vez que não necessitam da utilização de pesticidas no processo de cultivo. – isso só é verdade nos primeiros anos, depois voltam ao inseticida, depois ficamos é sem o “antibiótico”

    Este relatório surge na sequência da aprovação de uma nova lei norte-americana que exige que os grandes fabricantes de alimentos passem a indicar nas embalagens dos seus produtos se são utilizados alimentos geneticamente modificados. – parece que finalmente foram obrigados a fazê-lo

    as sementes transgénicas não aumentam de modo significativo o rendimento das colheitas – aumentam o lucro de quem produz a semente e destrói as sementes não OGM, espalhando-se que nem um cancro. Quem as semear por “engano” (por contaminação) é processado por essas companhias.

  3. Devia ser proibido a produção e a venda desses produtos!

  4. Margarida Silva

    Considerando que os cancros podem demorar trinta ou quarenta anos a aparecer (veja-se o caso do amianto), e visto que os primeiros OGM começaram a entrar na alimentação apenas há cerca de 20 anos (e os OGM mais recentes só existem há um ano ou dois), como é que se pode ter a certeza de que algum desses OGM não acaba por provocar o aumento de algum tipo de cancro? Ainda nem sequer houve tempo para que este tipo de impactos seja detetável na população.

Deixar uma resposta


Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.