Drone procura monstro de Loch Ness mas encontra "impostor" | Pplware Kids

Drone procura monstro de Loch Ness mas encontra “impostor”

É um mito com muitas décadas. Muitos afirmam que já viram o temível monstro do Lech Ness, nas sombrias paisagens escocesas, mas na verdade, nunca se conseguiu provar a sua existência. Persistência não falta, agora até são usadas as mais modernas tecnologias, os drones submarinos.

Este drone marinho foi colocado dentro do lago para vasculhar as profundezas que, embora estreito, tem cerca de 37 quilómetros de comprimento, tudo com a firme intenção de encontrar o tal terrível “monstro”. Surpreendentemente o drone conseguiu uma descoberta que não se pensava encontrar.

Lago Ness


Depois do drone Muhin colocado dentro de água, a sua missão era fazer o mapeamento de vastas áreas a mais de 1500 pés de profundidade. Esta tecnologia é usada para procurar aviões afundados devido à sua capacidade de analisar o solo recorrendo a um poderoso sonar e à sua facilidade de rasar o fundo dos lagos, rios e oceanos.

Mas o que os responsáveis noruegueses da empresa Kongsberg Maritime não estariam à espera era em vez do monstro de Loch Ness, encontrar uma réplica de quase 9 metros de comprimento do “bicho” que foi usado no filme “A vida íntima de Sherlock Holmes”, produzido em 1970. Esta réplica, durante as gravações, perdeu-se no lago, quando lhe foram removidas as bóias que a sustentavam na superfície da água.

Drone Lago Ness

 

Nessie é procurado há 25 anos

O primeiro encontro original e testemunhado por várias pessoas aparece descrito na obra literária Vida de São Columbano (também conhecido como Saint Columba), um missionário irlandês que viveu entre 521 e 597 D.C. e que se mudou para Escócia. O Columbano descreve como salvou das garras do monstro um picto que nadava no Rio Ness em 565 D.C., enquanto ele trazia um barco para o Santo. Os seus seguidores atravessaram o rio e com o enorme poder da sua voz o monstro terá sido repelido pelo Santo.

Monstro Lago Ness

O primeiro relato autenticado de registo visual oficial do monstro do Lago Ness data de 1880 e foi debaixo de água, testemunhado por um mergulhador profissional chamado Duncan MacDonald. Foi-lhe pedido que fosse ao Fort Augustus, perto do Caledonian Canal, procurar o local certo onde havia afundado um navio de carga, por questões do seu seguro – Duncan foi contratado pela seguradora para localizar o navio.

Ao descer às profundezas escuras do lago, Diuncan chegou onde se situava o navio afundado e iniciou as sua tarefas. Enquanto examinava a quilha para ver os estragos e trabalhava debaixo do barco, de repente viu que também ali estava uma enorme e estranha criatura, deitada sobre uma grande rocha próxima ao barco. O assustado Duncan fez um sinal brusco para ser içado e recolhido de imediato. Ao chegar ao seu barco de apoio, os colegas acharam-no muito pálido e branco como a cal. Duncan foi retirado da água a tremer, mas depois acalmou-se e disse que enquanto analisava o navio, a certa altura viu um animal muito parecido com um réptil gigante marinho ou como um sapo enorme, que surpreendeu Duncan e quis voltar logo à superfície com medo. Duncan nunca mais fez quaisquer mergulhos no famoso Lago Ness.

Steven Feltham, que procura Nessie há 25 anos, disse à agência Reuters que os mapas detalhados do fundo do lago vão ajudá-lo na sua busca. “Acho que estas descobertas são fantásticas”, afirmou.

Arquivado na categoria: Curiosidades


2 Comentários

  1. Eu quero ver filme do cinema interativo

  2. Aquilo na foto original parece-me nada mais do que uma mão. Sou só eu com a mesma opinião? 😀

Deixar uma resposta


Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste site reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.



×